Os Pássaros Estão Estragados

CD €12.00

comprar

1. Os Pássaros Estão Estragados

2. Fuga

3. Eduardo

4. Embalo Apagado

5. A Cadeira do Bonifácio

6. Resíduos de uma Saudade Esquecida

7. Uma Voz entre as Cinzas

8. Professores de Pássaros

9. Epílogo: Os Pássaros Estão Estragados

10. (Extra) A Última Viagem de Marco Polo

 


Composição, Viola d’arco, Voz e electrónica: José Valente.

Voz nas faixas 4 e 9: Ricardo Seiça.

Sonoplastia nas faixas 1, 6 e 10: Pedro Adamastor.

OS PÁSSAROS ESTÃO ESTRAGADOS, influenciado por um texto com o mesmo título de Afonso Cruz, do livro “A Boneca de Kokoschka”, Quetzal Editora.

Na concepção visual deste projeto musical, na sua apresentação gráfica e videográfica que vai acompanhar a sua exibição pública, foram utilizadas imagens de obras ou detalhes de obras de:

António Olaio [www.antonioolaio.com] | Marta Bernardes | Paulo Mendes [www.paulomendes.org] | Pedro Bandeira [www.pedrobandeira.info] | Realização vídeo e montagem: Israel Pimenta e Paulo Mendes

Design: Joana Monteiro

Agenciamento: Murmürio Booking

Gravado no Attack – Release Studio, por João P. Miranda

Produção: José Valente e João P. Miranda

Pré-produção: José Valente e José Martins

Produção Executiva: Jacc Records

Este trabalho contou com o precioso auxílio da ADXTUR que, no âmbito do XJAZZ - Ciclo de Jazz das Aldeias do Xisto, apoiou uma residência artística realizada na Áldeia de Álvaro (concerho de Oleiros), entre os dias 26 e 31 de Agosto de 2014.


OS PÁSSAROS ESTÃO ESTRAGADOS

A ideia de que os pássaros não voam para a liberdade quando lhes abrimos a porta da gaiola não é só um facto que podemos experimentar com o canário da nossa tia, é algo que acontece todos os dias, connosco, de uma forma ou de outra. Na verdade, conformamo-nos com a realidade em que vivemos, a nossa gaiola, e somos incapazes de a recusar. Até porque isto nos parece uma impossibilidade: negá-la. Mas a realidade faz-se precisamente daquilo que não é real, daquilo que hoje ainda não é possível mas que será uma realidade no futuro. Tememos esse passo. Se nos abrirem a gaiola, votamos nas mesmas pessoas, encostados às grades da gaiola onde sempre vivemos, receamos a mudança, a novidade, uma nova melodia que nos possa fazer experimentar uma felicidade primordial, algo que deveríamos sentir como se fosse a nossa natureza, como se fizesse parte de nós, assim como fazem parte de nós o coração, os ossos, o pâncreas. O céu mete-nos medo. Os discursos políticos, sociais, tem servido para estragarem a nossa essência, tal como o fazem com pássaros em gaiolas. Estragam-nos. Deixamos de arriscar um voo, e, no limite, de cantar. O que o José Valente propõe é um caminho através da música, uma passadeira feita com viola. Da gaiola para o céu. Uns centímetros quadrados de hábitos funestos estão irremediavelmente longe do infinito da liberdade, do céu. E, no entanto, bastava-nos percorrer uns centímetros para poder, de repente, abrir asas e furar nuvens, voar pelo espaço da nossa liberdade, por todas as possibilidades que o mundo fora da gaiola nos oferece. A música é um caminho porque, como na verdade toda a cultura, é redentora, nos eleva, constrói a realidade. Porque a realidade não é o mundo em que vivemos é o mundo que há-de vir. Quando Moisés pergunta a Deus quem deverá anunciar aos israelitas, Deus responde a apontar para o futuro: Eu sou o que serei. Recusar o nosso presente é um dever, porque este presente não é a realidade. É uma gaiola. A porta está aberta e há música à nossa espera. O José está à saída a chamar-nos com a viola.

Afonso Cruz

The record was successfully added to your shopping cart

You can access your shopping cart by clicking on the foloowing link, or by clicking on the top menu icon .

×