William Parker

Contrabaixo



William Parker é uma figura incontornável da história do jazz. Exímio intérprete, improvisador e compositor, toca contrabaixo, instrumentos de sopro de palheta dupla, tuba, donso ngoni e guembri.

Nasceu em 1952, no Bronx, em Nova Iorque. Nessa mesma cidade, estudou com os grandes mestres Richard Davis, Milt Hinton, Wilber Ware e Jimmy Garrison. Entrou na cena musical em 1971, em plena "loft scene", tocando lado a lado com músicos que então relançavam as bases do avant-jazz.

Paralelamente, acompanhava músicos defensores da tradição jazzística como Walter Bishop, Sr. e Maxine Sullivan. A partir de 1980 e até 1991, fez parte da Cecil Taylor Unit. Por esses anos, desenvolveu uma forte relação com a música improvisada de raíz europeia, tocando com músicos como Peter Kowald, Peter Brotzmann, Han Bennink, Tony Oxley, Derek Bailey, Louis Sclavis e Louis Moholo.

Em 1994 começou o seu trajeto enquanto autor, liderando ensembles como In Order To Survive e The Little Huey Creative Music Orchestra. Em 2006, Parker foi reconhecido com o prémio Resounding Vision Award pela Nameless Sound, no ano seguinte lançou o livro Who Knows Music?, livro este que contém as suas visões políticas, poemas e trabalhos de musicologia. Em 2011 lançou o segundo livro Conversations, uma coleção de entrevistas com notórios músicos de free jazz e de pensadores contemporâneos, principalmente da comunidade Afro-Americana. No ano de 2020 atuou com o grupo Trails of Tear na Roulette Music, compondo cerca de 100 composições durante este ano pandémico.

Podemos encontrar variados trabalhos dele tanto a solo como em pareceria tanto com Fred Anderson, Billy Bang, Albert Beger, Peter Brötzmann, Charles Gayle, Frode Gjerstad, Gianni Lenoci entre muitos outros. Mais próximo de nós, encontramos múltiplos exemplos da amplitude do seu trabalho, em variados formatos, desde o solo à big band, preconizando sempre música desafiante que, não obstante, se deve “ligar” às pessoas.


Participações